CinePerfil

abril 23rd, 2019

CinePerfil — Marlon Brando

More articles by »
Written by: Flávio Junio

 

Incluso na lista das 100 figuras mais importantes do século, publicada na Times nos anos noventa, Marlon Brando ainda hoje é considerado um dos maiores ícones da sétima arte.

Crescendo em um ambiente disfuncional, com a mãe alcoólatra e divorciada do pai do ator,   passou por inúmeras turbulências na vida estudantil, sendo expulso diversas vezes por seu comportamento arredio. Foi em Nova York, para onde se mudou para morar com as irmãs, onde Marlon Brando Jr. teve contato com diversas escolas de teatro e começou assim a demonstrar ofício para o mundo das artes.

Sua estreia no cinema se daria com a famosa peça de Tennessee Williams, Um Bonde Chamado Desejo, entretanto os atrasos para estreia do longa tornaram sua pequena participação em Espíritos Indômitos seu début  — mas foi com a adaptação da obra de Williams que Brando disse realmente a que veio. Dirigido por Elia Kazan, a produção contava a história de um rústico operário de uma fábrica que entrou em conflito com a cunhada, quando esta passou a  atrapalhar no seu relacionamento com a esposa. O filme ganhou três Oscars, além de render a primeira indicação para Marlon Brando.

Na pele do rebelde Johnny Stabler em O Selvagem, do húngaroLászló Benedek, tornou-se um símbolo da juventude transviada, que posteriormente alçaria James Dean a expoente do politicamente incorreto. No ano seguinte, retomaria a parceria com Elia Kazan em Sindicato de Ladrões, pelo qual conquistou o Oscar de melhor ator.

Talvez grande parte do público eleja sua personificação em O Poderoso Chefão a melhor de sua carreira. Don Vito Corleone,é tido como um dos maiores vilões de todos os tempos devido ao magistral desempenho de Brando na pele do patriarca mafioso que relutava para não ver os filhos envolvidos em seu ramo criminoso. Em 1973, durante a cerimônia do Oscar que o consagraria com uma estatueta pelo papel, enviou uma representante indígena (mais tarde descobriu-se tratar-se de uma atriz) em seu lugar, como forma de protesto contra as atitudes discriminatórias do povo americano para com os nativos. No decorrer da fama, Marlon Brando envolveu-se com muitas causas humanitárias, atuando na linha de frente em diversas manifestações em prol dos direitos civis e indígenas.

Nos anos oitenta abandona temporariamente os sets de filmagens para viver recluso na Polinésia Francesa. Nesta fase enfrenta diversos problemas pessoais, que acabaram refletindo na derrocada de sua até então irretocável carreira, bastante arranhada na década seguinte, com sua questionável presença em A Ilha do Dr. Moreau, fracasso de crítica e público.

Em  2004, aos oitenta anos e já longe do auge, Marlon Brando faleceu devido a complicações respiratórias que colocaram um ponto final na jornada do veterano e renomado astro, sobre o qual Martin Scorsese costuma dizer: “ Existiu o cinema antes e depois de Brando “.

Frase de Marlon Brando

“Se um estúdio me oferecesse tanto dinheiro para eu varrer o chão quanto oferece para eu atuar, eu varreria. Quem se preocupa com o os aplausos? Preciso aplausos para se sentir bem sobre mim mesmo?”


About the Author

Flávio Junio
Flávio Junio é bacharel em Teologia, professor e profissional da Secretaria de Educação de Minas Gerais. Ex-aluno do curso Teologia, Crítica e Linguagem Cinematográfica, ministrado pelo crítico de cinema Pablo Villaça, há doze anos integra o coral gospel Kerygma da Igreja Batista da Lagoinha.




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *