Viajando pelo mundo

novembro 19th, 2017

Viajando pelo mundo — Armênia

More articles by »
Written by: Flávio Junio
Tags:,
big_1360841395_2571813

 

Nascido em 1923 por meio da criação de um comitê cinematográfico, o cinema armênio foi se desenvolvendo primeiramente pela produção de documentários. Namus, de Hamo Beknazarian, foi o primeiro filme, mudo e em preto e branco narrava a história de dois jovens que foram prometidos por suas famílias desde a infância e enfrentavam as consequências desse fato. Doze anos mais tarde, Pepo, também de Beknazarian, foi o precursor quando a sonorização surgiu como um avanço tecnológico. Sergei Parajanov, Henrik Malyan e Edmond Keosayan foram os cineastas mais proeminentes na indústria armênia. Entre os interpretes de renome, destacamos Sos Sargsyan, sobre quem falaremos a seguir.

220px-Sos_SargsyanSos Sargsvan começou a atuar aos dezoito anos em peças de teatro fazendo famosos personagens como Don Quixote e Rei Lear. Formado na Escola de Belas Artes, trabalhou em cerca de 20 filmes armênios, paralelamente à sua carreira de dramaturgo e seu engajamento na política. No inicio dos anos noventa, com a independência da Armênia do poderio Soviético, foi lançado como candidato à presidência do país, sendo derrotado por Levon Ter Petrossian. Com tantos anos de carreira, há um consenso que o russo Solaris (1972), de  Andrei Tarkovsky, seja a produção mais notável na carreira do formidável ator. Baseado na obra de Stanislaw Lem, o filme narra a história de um psiquiatra que é enviado para o planeta Solaris para investigar misteriosos acontecimentos ocorridos no local.

No ano 2000 Sargsvan foi condecorado com a medalha Sahag-Mesrob, uma grande honraria da Igreja Apostólica por sua contribuição dada às artes e à política do país. Ator,roteirista e militante — Sos Sargsvan faleceu em 2013, seu empenho e dedicação marcaram a história da modesta mas marcante cinematografia armênia.


About the Author

Flávio Junio
Flávio Junio é bacharel em Teologia, professor e profissional da Secretaria de Educação de Minas Gerais. Ex-aluno do curso Teologia, Crítica e Linguagem Cinematográfica, ministrado pelo crítico de cinema Pablo Villaça, há doze anos integra o coral gospel Kerygma da Igreja Batista da Lagoinha.




0 Comments


Be the first to comment!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *